Rocky – Um Lutador é um daqueles casos de “o filme certo na hora certa”, já que durante os anos 70, quando predominava o cinema de autor, os grandes filmes da época retratavam os EUA e o mundo de forma sombria e pessimista, como Poderoso Chefão e Taxi Driver e muito se refletia ao que o país vivia no momento: a derrota americana na Guerra do Vietnã e o escândalo de Watergate e tanto a população e o mundo precisavam de algo otimista e que se identificasse.

Nesse cenário, não é difícil de entender o porquê de o mundo ter recebido Rocky – Um Lutador de braços abertos. E a história do filme se confunde muito com a carreira do próprio Stallone: ele já estava com 29 anos em 1975. Na época ele já era ator, mas só fazia pequenas pontas e fez alguns filmes pornôs, onde ganhou o apelido de “Garanhão Italiano” e ainda não tinha exatamente um nome em Hollywood.

sylvester-stallone-as-rocky-balboa-in-rocky (1)

Ele escreveu Rocky – Um Lutador em apenas 3 dias e a inspiração veio após ele assistir a uma luta de um lutador desconhecido contra o campeão Muhammad Ali. Na época, Stallone estava financeiramente quebrado, teve seu roteiro oferecido por 350 milhões de dólares, mas só após muita negociação, os produtores Irwin Winkler e Robert Charloff (que também produziram Touro Indomável, de Martin Scorsese) ofereceram o projeto à United Artists, que aprovou o orçamento de 2 milhões, mas se o filme fosse protagonizado por algum astro, como Ryan O’Neil ou Robert Redford.

No final, o estúdio concordou com o então desconhecido Stallone como protagonista, mas diminuiu o orçamento em 1 milhão de dólares e, se estourasse, sairia do bolso dos produtores. E foi justamente o que aconteceu: Rocky – Um Lutador estourou o orçamento em US$ 100 mil, que fez com que os produtores hipotecassem suas casas.

Com um risco tão alto como esse, o filme tinha a obrigação de dar certo em um cenário que tinha tudo para dar errado: Rocky – Um Lutador estreou em 1976 e foi um grande sucesso de público e crítica. Se o filme custou US$ 1,1 milhão, ele faturou mais de US$ 200 milhões no mundo inteiro, tem personagens e momentos icônicos agora em 2016, voltou à mídia com o lançamento de Creed – Nascido Para Lutar – e com o virtual Oscar para Stallone pelo filme.

O próprio ator disse que não subia a uma premiação desde 1977, quando Rocky – Um Lutador ganhou os Oscar de Melhor Filme e Direção e de lá para cá, Stallone era sempre presença garantida na Framboesa de Ouro, inclusive recebendo o título de pior ator da década em 2000.

Rocky – Um Lutador conta a história de um sujeito pobre da Filadélfia que trabalha como cobrador para um agiota e, nas horas vagas, trabalha como lutador amador. Ele vive financeiramente quebrado, sozinho, mas tem a chance de carreira como lutador quando ele recebe o desafio do campeão mundial de boxe, Apollo Creed, para uma luta bem no dia de Ano Novo. Nesse meio tempo, ele conhece Adrian, uma moça tímida que é irmã de Paulie, seu amigo, e logo se inicia uma amizade verdadeira que se transforma em um romance.

Rocky-and-Adrian-ice-skating

Após 40 anos de seu lançamento, Rocky – Um Lutador continua como um belo filme e que não morreu com o tempo. Pelo contrário, suas mensagens e frases de efeito ainda funcionam como exemplo de lição de vida e da valorização do ser humano, afinal, não importa o quão pequeno ou bizarra for a pessoa, ela sempre pode perseguir seus sonhos e a facilidade em se identificar com o filme, é que nada daquilo é surreal: Rocky é uma pessoa comum, que é mal visto por todos e almeja algo, em tese, que é possível de conseguir. A prova disso é que o resultado da luta é o que menos importa, e sim, toda a trajetória.

Portanto, Rocky – Um Lutador não é bem um filme de ação, como os demais filmes da franquia foram, mas um drama sobre um homem querendo ser alguém na vida. E também é fácil de se identificar com sua Adrian: ela é uma moça linda, mas não aquela idealização de uma mulher inatingível, ela é simples e carente, mas que ganha o coração do nosso herói – e também o nosso. Tudo isso fruto dessa grande atriz que é a Talia Shire – irmã de Francis Ford Coppola e também está em O Poderoso Chefão. Em um filme com um protagonista masculino, que ocupa 90% do tempo de tela, o fato de ela ter sido indicada a Melhor Atriz pelo papel é um grande feito.

Rocky – Um Lutador apresenta personagens que entrariam na cultura pop para sempre, como os já citados, Rocky, Adrian, Apollo e Paulie, não se deve esquecer o Mickey, treinador do Rocky. E também há momentos que se tornaram clássicos, como o treinamento de Rocky, com a famosa cena da subida na escadaria da Filadélfia ao som de Gonna Fly Now, que é até hoje imitada pelos turistas que visitam o local, e os momentos singelos do casal Rocky e Adrian, seja a cena da patinação na neve ou o famoso grito Adriaaannnn!!! ao final da luta, e com a nossa mocinha dizendo I Love You ao seu herói.

rocky-adrian

São momentos que fazem de Rocky – Um Lutador ainda ser lembrado e revisto após 40 anos de seu lançamento e daqueles casos de filmes “imortais” do cinema. Muitos dizem que a vitória do filme no Oscar foi um exagero e injustiça. De fato, seus concorrentes, Taxi Driver e Rede de Intrigas foram mais bem realizados e eram mais merecedores do prêmio, mas foi uma escolha feita mais com o coração e falando com o espírito da época. E como Rocky – Um Lutador é sim, um grande filme, não se pode falar em injustiça, como foram as vitórias de Kramer vs Kramer e Gente como a Gente anos depois.

Nota: 10,0