A gente tá careca de saber que o Zé do Caixão é o grande expoente do cinema de terror aqui nas nossas terrinhas brasileiras. Temos mais alguns outros nomes que circulam pelo terrir (terror engraçado), como é o caso do Ivan Cardoso. Mas vamos lá: tem algo para além disso nesse gênero tão maravilhoso sendo produzido no Brasil? Tem sim!

Ultimamente, a produção de horror, terror e suspense tem se desenrolado de maneira bastante satisfatória para os amantes dos nichos e isso é animador para os entusiastas do cinema nacional que vai além do que todo mundo tá acostumado, que procura outras propostas de identidade do cinema brasileiro. Sem falar que é no mínimo massa pra caramba ver os cineastas se mobilizando mesmo que o incentivo pra produções no estilo não é lá essas coisas (na verdade é quase nenhum, venhamos e convenhamos).

Agora, sem mais delongas, apresento a vocês uma listinha com cinco filmes de terror das nossas terras tupiniquins.

1. Mangue Negro (2008)

Esse talvez seja o mais conhecido que eu vou indicar aqui (ao menos foi a impressão que tive enquanto pesquisava as películas a serem colocadas no post). Mangue Negro, de Rodrigo Aragão, namora com tendências estéticas entre o gore e o trash e a temática combina com o lado visual: zumbis. Pra quem gosta de assistir a mortos-vivos cobertos de lama e protagonistas ensanguentados, o filme é um prato cheio. O mais interessante, no entanto, é a ambientação do filme que acontece em uma área rural, fazendo com que a atmosfera se aproxime de um clima de lenda de terror interiorana.

2. Condado Macabro (2015)

Esse aqui acaba com a possibilidade de imparcialidade jornalística por parte da que vos fala. Eu realmente acho que essa é uma das melhores produções do cinema de terror nacional. Condado Macabro, de Marcos DeBrito e André de Campos Mello, dá uma aula de cinema referencial, sendo uma homenagem brasileira a filmes de terror dos anos 70 e 80 sem deixar os traços de regionalidade brasileiras. Produção impecável e o estilo à lá O Massacre da Serra Elétrica (principal influência da narrativa) o filme é um conjunto completo desde o roteiro até a fotografia do que a gente espera ver em um filme de terror.

3. Nervo Craniano Zero (2012)

De Paulo Biscaia Filho, esse aqui tem uma pegada de ficção científica, por assim dizer. O mote do filme é justamente a criação de um chip que impeça crises criativas em escritores. Com médicos sem licença, uma escritora inescrupulosa e uma garotinha simplória, a gente vê aqui um daqueles cenários higienizados que dão uma aflição enorme e te deixam com vontade de roer as unhas pra saber o que vai acontecer na próxima cena.

4. O Diabo Mora Aqui (2015)

De primeira, a gente não espera muito de um filme cuja sinopse contém um grupo de jovens. Mas o filme Dante Vescio e Rodrigo Gasparini surpreende mesmo que a temática soe clichê. A característica de Brasil é mais uma marca interessantíssima no desenrolar da narrativa, que resgata histórias da época escravocrata para assombrar os protagonistas. É a roupagem à brasileira de um formato clássico de terror.

5. As Fábulas Negras (2014)

Esse aqui tem a presença do nosso queridão do terror José Mojica por trás do projeto. Juntamente com Rodrigo Aragão, Joel Caetano e Petter Baiestorf, Mojica cria uma antologia cem por cento brasileiras. Revezando a direção dos momentos do filme, os cineastas amarram seis histórias com o conteúdo completamente voltado pra construção visual de histórias de terror nascidas e criadas no Brasil. Do Saci à Loira do Banheiro, a gente enxerga os medos abrasileirados permeados pelos estilos de direção que te levam à risadas e ao desespero e agonia.

Pra fechar, eu indico a você que gosta de Cinema Fantástico, que dê uma olhadinha maneira no Fantaspoa.
Fica o mistério (nem tanto assim) sobre o que se trata.
Cuidado pra não olhar pra trás.