Escolha uma Página

Amanhã estreia nas telonas o longa Casamento Grego 2. O primeiro filme, de 2002, fez muito sucesso na época e é uma das principais bilheterias americanas de todos os tempos. E ainda descolou uma indicação ao Oscar de melhor roteiro original. Você podem relembrá-lo lendo a minha análise clicando aqui.

Este segundo é uma sequência direta daquele. Várias piadas e a própria relação entre os personagens rementem à memória daqueles que viram o início de tudo. E o próprio fator nostalgia está muito presente, às vezes é usado como muleta. Então corram para o  Netlfix… lá vocês podem relembrar, conhecer e se apaixonar (ou odiar, como foi o meu caso) das primeira aventuras do casal.

Mas chega de falar dos eventos de 14 anos atrás. E Casamento Grego 2 o que nos apresenta de bom? Infelizmente pouca coisa…

My Big Fat Greek Wedding 2

Não vou falar muito sobre a trama, pois a melhor sacada da história pode se estragada se eu revelar para vocês. Mas temos agora o casal Toula (Nia Vardalos) e Ian (John Corbett) estabelecidos e com uma filha adolescente de 17 anos, a Paris (Elena Kampouris). Algumas aventuras envolvendo a vida dessa nova personagem e muito foco para os pais de Toula, Gus (Michael Constantine) e Maria (Lainie Kazan), que voltam com tudo.

Os primeiros 15, 20 minutos até arrancam risos e algumas gargalhadas… depois as 1h10 restantes se tornam um tédio puro. Os romances definitivamente não funcionam e a comédia vai perdendo muita força (algo semelhante ocorre no filme 1). A história, em um nível macro, poderia ser interessante. Tem uma reviravolta no final do primeiro arco que dá um tempero na coisa toda.

O casal, que encantou alguns há 14 anos, aparece aqui de forma bem insossa e artificial (e eu reclamando deles no filme anterior… inocente que eu era…). A palavra mais repetida, e quase um slogan deles, é “tá”. Sim, é sério… eles falam isso de forma tão insistente que pensei estar vendo uma homenagem ao Professor Girafales  e o indefectível “tá tá tá” nos momentos de revolta dele.

Casamento Grego 2

ATENÇÃO PAIS: por favor não pensem que tua filha adolescente é daquele jeito que foi retratada no filme. Tudo de mais clichê temos nesta personagem: a maquiagem forçada no começo (lembrando visual gótico, com o único intuito de demostrarem que ela está de “saco cheio”), a vergonha que sente da família no colégio, o baile… São caracteres rasos e que enfraquecem o potencial que poderia se extrair dali. A subtrama poderia estar presente de outra maneira ou sequer aparecer.

Já os avôs da adolescente, pais da Toula, tem um arco bem mais encorpado e dá até para dizer que são os protagonistas do filme (no primeiro o destaque claro era para a Toula). A história gira em torno deles, são engraçados, carismáticos e se transformam ao longo do filme. Bom trabalho da dupla de atores: Michael Constantine e Lainie Kazan, principalmente ele.

Os personagens secundários continuam unidimensionais e sem quaisquer características de relevo fora os esteriótipos que transmitem… a moça que tem como única função mostrar o decote continua presente… o ator John Stamos (o tio Jesse dos seriados Full House e Fuller House) aparece algumas vezes para ter uma única piada (boa por sinal). Os pais do Ian (família que se contrapunha à grega) fazem nada aqui (tem uma cena lamentável no final do filme onde a piada poderia funcionar, mas foi mal executada), no primeiro eles funcionavam melhor.

Casamento Grego 2

A troca do diretor, agora quem está no comando é Kirk Jones no lugar do veterano Joel Zwick, funcionou na harmonização dos personagens (agora eles fluem melhor que no filme anterior) e em algumas movimentações da câmera, como em um momento da cena do casamento e ele dá um ritmo bom no começo e no final do longa, mas o meio do filme é tedioso… e uma pelinha que saia da minha unha era mais atrativa…

Não duvido que alguns gargalhem enlouquecidamente e até chorem em um dado momento. Ou, pior ainda, identifiquem a filha adolescente naquela personagem…. quem ainda sentir vontade de ver o filme peço que tentem enxergar o quão fácil são algumas piadas e quantas vezes vocês já não as viram antes… mas é possível ficar a sensação de uma obra leve e isso agrade alguns. Já o romance, convenhamos, esse não dá para engolir…. Ante melhorias e pioras em relação ao filme anterior vou manter a nota 3,5/10

[o trailer conta as melhores piadas e revela os spoileres que tentei poupá-los, não recomendo vê-lo, portanto o façam por conta e risco…]

 

 

Gostou da matéria? Apoie o Acabou de Acabar no Patreon!

Comments

comments